20.03.2013
VENDAS ONLINE, UMA TENDÊNCIA QUE CRESCE A CADA ANO
Fonte: Patrick Alves - Diretor Geral da Oliver Media
Nos últimos anos o Brasil tem obtido um aumento muito expressivo nas vendas online através de Lojas Virtuais dos mais diversos segmentos e o comércio eletrônico se destacou como sendo um dos mercados com maior índice de crescimento. Esse fenômeno ocorre por diversos fatores dentre os quais se destaca o crescimento rápido de novos usuários com acesso a internet e o aumento de confiança por parte dos clientes ocasionados pela constante melhoria dos sistemas de compra através de ambientes mais seguros que preservam os dados dos clientes.

O Brasil desponta como um dos países mais promissores em termos de crescimento no segmento de Varejo Online no Mundo , portanto se destaca como um dos melhores mercados para os empreendedores investirem, principalmente se compararmos com países onde o habito da compra online e o numero de internautas já é grande, em alguns casos a grande maioria de sua população.

As vendas totais pela internet estão crescendo a números três vezes maiores que o varejo tradicional. No Brasil a internet responde por 3% das vendas do varejo total, enquanto na Inglaterra e Estados Unidos essa parcela se situa em torno dos 9%.

Mesmo com o crescimento acentuado dos últimos anos o Brasil dispõe de um ambiente muito favorável para investimentos no setor ,principalmente pelo fato de haver uma expectativa de curto prazo no aumento expressivo de novos internautas, ocasionando assim um volume maior de vendas e se destacar também como um ambiente de negócios onde a concorrência é baixa tendo em vista que muitos varejistas ainda não comercializam seus produtos online.

O mundo converge para a Internet, e nesse sentido caminha o consumidor. Uma verdade surge: quem não estiver na rede em um futuro muito breve, perderá competitividade.
Patrick Alves - Diretor Geral da Oliver Media
22.01.2013
Brasil deverá ser o 4º maior e-commerce em 2016
Fonte: Portal Revista Exame
Um estudo divulgado pela consultoria italiana Translated projeta que o mercado brasileiro de comércio eletrônico será o quarto maior do mundo em 2016. Segundo o estudo, o e-commerce brasileiro deverá ultrapassar o tamanho da França, do Reino Unido e da Alemanha ao longo dos próximos anos.

De acordo com a pesquisa intitulada “T Index”, o Brasil terminou 2012 com 3,1% do movimento mundial feito pela internet. Com essa participação, o País figura em sétimo no ranking global, à frente da Rússia (8º), Coreia do Sul (9º) e da Itália (10º). Os primeiros do ranking são os Estados Unidos, a China e o Japão.

A consultoria prevê que o mercado brasileiro alcance participação de 4,3% do e-commerce mundial em 2016. Com essa fatia, o Brasil estará à frente da Alemanha, que deve terminar o ano das Olimpíadas no Rio com 3,9%.

Atualmente, os alemães giram 4,6% do e-commerce mundial. A redução dessa fatia não aconteceria pela piora dos resultados da Alemanha, mas pelo crescimento mais acelerado dos outros mercados.

Segundo o estudo, a China será o maior mercado mundial de vendas online com 20,1% do movimento global em 2016. Em seguida, aparecem Estados Unidos (15,6%) e Japão (4,6%). Após o quarto lugar do Brasil, estarão a Alemanha, Rússia (3,6%) e França (3,2%).

Portal Revista Exame
22.01.2013
E-commerce deve faturar R$ 28 bilhões em 2013
Fonte: www.blogdoecommerce.com.br
Em 2013 o e-commerce brasileiro deve apresentar um crescimento nominal de 25%, chegando a um faturamento de R$ 28 bilhões. A previsão é da empresa especializada em informações do comércio eletrônico, e-bit.

De acordo com a diretoria de negócios da consultoria, Cris Rother, a tendência é que o ano apresente um resultado superior a 2012, impulsionado pela retomada do crescimento econômico e da aceleração das vendas de dispositivos móveis como os tablets e smartphones.

“A cada ano vemos maior adesão dos brasileiros a dispositivos móveis devido a redução dos preços dos produtos, conforme mostra o índice FIPE Buscapé, e pela maior oferta de pacotes de banda larga com valores mais acessíveis. Somente em 2012 a queda de preços dos celulares em comparação a 2011 foi de -13,41%”, explica Rother.

Influência da nova classe média
Uma outra causa do crescimento do setor é a ascensão da Classe C. Aproximadamente 56% dos novos consumidores on-line pertencem a essa classe, apesar dos atuais sinais de endividamento, o que por outro lado pode frear o consumo.

Os televisores devem ser os produtos mais vendidos para esse ano. Segundo Cris, as vendas do produto serão estimuladas pela Copa das Confederações deste ano e a Copa do Mundo de 2014. “Vimos em 2010 um movimento muito forte na venda de Eletrônicos, especialmente TV´s de LED e tela fina, especialmente estimulados com a Copa do Mundo”.

Investimentos

Os maiores investimentos no comércio eletrônico foram em categorias chamadas de verticais como “moda e acessórios”, “artigos esportivos” e “casa e decoração”. “Com o segmento em consolidação e ainda mais competitivo, os grandes varejistas buscarão melhorar a eficiência de suas operações, aumentar a rentabilidade e melhorar da qualidade dos serviços prestados ao consumidor”, afirma o diretor geral da e-bit,Pedro Guasti.

www.blogdoecommerce.com.br
1